.ღ Saudade lembrada, saudade sentida, saudade hoje e para o resto da vida...saudade eterna! ღ

.ღ Saudade lembrada, saudade sentida, saudade hoje e para o resto da vida...saudade eterna! ღ

.

.

ღ NO MOMENTO AS HOMENAGENS ESTÂO SUSPENSAS! Abraços fraternos!

ღ NO MOMENTO AS HOMENAGENS ESTÂO SUSPENSAS!  Abraços fraternos!
As homenagens são publicadas conforme a disponibilidade de tempo. Se ela chegar sem foto e mensagem não poderei publicar. As homenagens são publicadas conforme a ordem de chegada no e-mail.

.

.

ღ NO MOMENTO AS HOMENAGENS ESTÂO SUSPENSAS! ABRAÇOS FRATERNOS!

quarta-feira, 16 de março de 2011

Tati e Tommy


Ao ler em "Desabafos do coração" um comentario da amiga Andreia, que fala da perda de seu amadinho, e na procura sobre a morte encontrou Tati, uma jovem que perdeu a vida com seu cãozinho Tommy em um acidente de carro e as cartas psicografadas para a família em que ela diz estar com o animal de estimação o tempo todo.

Fui a procura da carta e posto aqui pra vocês.

Muito maravilhoso saber que eles estão a nossa espera e quando partimos nos encontraremos e ficaremos juntos!


Tati

Que Deus ilumine seu caminho e o doTommy

para a eternidade!


CSFMP



1ª Psicografia da Tatiana Madjarof


É incrível mãe!

É difícil explicar esta minha emoção e todo este intercâmbio que me permite entregar esta carta em suas mãos.

Mamãe Rosana, não quero chorar, quero fazer de conta que estou lá no Texas, com minhas lembranças de todos e com a certeza de que aconteça novamente o nosso encontro.

Mãe, naquele dia do acidente, me senti igual a um pássaro voando para atender o trinar de outro amigo que o chama para a festa da vida.

Atendia o convite da Lydia, sentindo em meu ser a felicidade de ser lembrada por alguém a quem coloquei bem dentro do coração.


Próximo a mim, o presente do papai Jorge: o cãozinho Tommy; meu companheiro, motivo de minha alegria. Saímos de Tubarão, mas não foi possível chegar ao encontro desejado com nossa Lydia. Não creio que minuciar os detalhes do acidente possa nos causar algum benefício. Quero apenas dizer que o meu Tommy me acompanha até hoje, e que eu não me deparei com os sofrimentos que possam imaginar.


Aconteceu que o encontro com o outro veículo só me deu a consciência, naquele momento, quando chamei: Meu Deus! Nada vi, nada senti.

Foi como se apagasse uma luminária que permanece com sua luz na energia da vida. Me lembro de abrir os olhos pela primeira vez dentro do novo espaço de vida.

Sem alarde, iniciava minha trajetória de encontros.

A tia Silvinha, a tia Ivete, o vovô Paulo, cada um tentando me entregar tudo que possuíam de bom na tentativa de amenizar o meu susto, mas confesso que os encontrei com o meu olhar sem compreender, é certo, mas não transmiti a eles qualquer movimento ou palavra de revolta.

O certo mãe, é que Deus ali se apresentava através do amor de suas criaturas.

Para não complicar o assunto, prolongando-o com nossas palavras, devo dizer que não me faltou calma, e, a presença do Tommy, que logo me foi entregue, era de maneira a me fazer segura.

Sentia junto ao cãozinho, a presença do papai Jorge e a sua presença mãe.

Sentia que minha irmã Lú, a nossa Luciana, ali estava, e, as presenças do vovô Paulo, da tia Ivete e da tia Silvinha me fazia sentir bem.

Ao meu lado a vovó Rosa, e o exemplo desta guerreira me auxiliava a não fraquejar. O que terminou mãe? O corpo!

Sua filha permanece, e minha vida tem ela os mesmos sentimentos dedicados a vocês. Vovó Rosa, você é vencedora!

Me ajude a ser vencedora.

Dá aquele beijo na Mari e no Paulinho. Diga a eles que são beijos da tia Ivete e meus. Dá um abração no tio Paulo. Sinto falta daqueles momentos em que, descontraídos, fazíamos juntos aquela festa em família.

Mãe! Nos amamos.

Permanecemos na condição de grandes amigas e seremos assim sempre; capazes de compreender uma a outra.

Meus beijos.

Penso que nos Estados Unidos, me via bem mais distante de você do que estou agora. Espero que o papai Jorge, através do que escrevo, sinta o quanto de amor tenho por ele, e que meu bondoso pai leve até a vovó Jacy e o vovô Eduardo, meu carinho de neta.

Beijos mãe.

Beijão vovó Rosa.

Aprendo com você a ser vencedora. Amo vocês.


Tati.

Tatiana Madjarof Bussamra.

MENSAGEM PSICOGRAFADA PELO MÉDIUM CELSO DE ALMEIDA AFONSO, EM REUNIÃO PÚBLICA, NA NOITE DO DIA 15/09/2006, NO CENTRO ESPÍRITA “AURÉLIO AGOSTINHO”, À AV. LUCAS BORGES, 61 – UBERABA – MG.


Esclarecimentos:


Rosana e Jorge — Pais; Lú (Luciana) — Irmã; Vovó Rosa — Avó materna; Mari (Mariana) e Paulinho — Primos, filhos da tia Ivete; Tio Paulo — Tio materno; Jacy e Eduardo — Avós paternos; Lydia — Melhor amiga da Tati. A Tati se dirigia à casa de praia da Lydia, em Laguna – SC, para um almoço entre amigos, quando aconteceu o acidente; Tommy — Cãozinho da raça Maltês, com 3 meses de vida, que a Tati ganhou do pai uma semana antes do acidente e que desencarnou com ela; Tia Silvinha — Tia materna, desencarnada em 04/05/1986, aos 19 anos, em acidente automobilístico na Via Anchieta; Tia Ivete — Tia materna, desencarnada em 22/06/2005, aos 44 anos, em decorrência de um câncer; Vovô Paulo — Avô materno, desencarnado em 12/05/1991, aos 57 anos, vítima de infarto; Tubarão — Apesar de morarmos em São Paulo, a Tati morava em Tubarão – SC, devido ao fato de estar cursando a faculdade de medicina nesta cidade; Texas — Local em que fez intercâmbio estudantil, na cidade de Killeen, entre agosto/1999 a agosto/2000; Estados Unidos — Há 3 anos consecutivos que a Tati passava as férias de final de ano no Colorado, trabalhando em estações de esqui.


Tatiana Madjarof Bussamra Nasceu em 21/12/1982 em São Paulo – SP

Desencarnou em 04/02/2006 em Capivari de Baixo – SC

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Saudade lembrada, saudade sentida, saudade hoje e para o resto da vida...saudade eterna!

Nosso pedacinho do céu...