.ღ Saudade lembrada, saudade sentida, saudade hoje e para o resto da vida...saudade eterna! ღ

.ღ Saudade lembrada, saudade sentida, saudade hoje e para o resto da vida...saudade eterna! ღ

.

.

ღ NO MOMENTO AS HOMENAGENS ESTÂO SUSPENSAS! Abraços fraternos!

ღ NO MOMENTO AS HOMENAGENS ESTÂO SUSPENSAS!  Abraços fraternos!
As homenagens são publicadas conforme a disponibilidade de tempo. Se ela chegar sem foto e mensagem não poderei publicar. As homenagens são publicadas conforme a ordem de chegada no e-mail.

.

.

ღ NO MOMENTO AS HOMENAGENS ESTÂO SUSPENSAS! ABRAÇOS FRATERNOS!

sábado, 30 de outubro de 2010

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

A ESSÊNCIA DOS ANIMAIS


A ESSÊNCIA DOS ANIMAIS

Olhe bem dentro dos olhos de um animal.
E ao olhar você vê que este ser é a expressão do Universo ...
Preste atenção no que você vê: os anos de vida presentes dentro desses olhos
e a vitalidade que brilha através da cor e transparência.
Contemple sua forma.
Note os ângulos e curvas de individualidade que fazem desta criatura uma obra de arte única, moldada pelo tempo e pelo desejo ...
E enquanto você olha dentro dos olhos desse ser, atente para aquilo que não pode ver; o interior, um ser tão singular como sua expressão.
O que você vê é um espírito vivo. Acolha-o, respeite-o. Aprecie-o por isto.
Pergunte a si mesmo: o que parece sentir esta criatura? Como, através desses olhos, o mundo parece ser?
Saiba que há antigüidade dentro destes olhos, milênios de evolução.
Eles trazem na sua contemplação, uma aguda solidão que você nunca poderá compreender completamente ...
Esteja certo de que este ser é tão oprimido e sofrido como você nunca imaginou.
É um ser que tem vivido momentos de rudeza e inocência das quais você nunca poderá compartilhar.
Saiba ainda que é ima criatura viva e que tem desejos como você.
Ela anda sobre o mesmo chão e respira o mesmo ar.
Sente dor e alegria, o calor do brilho do sol, a agradável sombra das florestas, o sabor refrescante da água pura ...
Como você. E nisto somos todos iguais. Numa igualdade onde existe toda a vida.
Através dela podemos encontrar a totalidade. A partir desta igualdade podemos extrair discernimento e compreensão para a cura do nosso lar comum.

Gary Kowalsky - The soul of animals , 1991

Dia de São Judas Tadeu


28 de outubro


28 de Outubro

Até 5 anos atrás, eu gostava especialmente desta época do ano,
com dias longos de primavera, quando eu costumava observar o por do sol junto
com meus cães. E foi neste longo dia de primavera, em 2005, que perdi minha pequena boxer Ágata, ainda tão novinha, depois de meses de um tratamento sofrido para um câncer que foi se espalhando.

Já se passou um lustro, e minha pequena Ágata continua a meu lado, em meu coração, em outro plano mas tão presente que vejo seus olhos cor de âmbar me
fitando gentis, sinto seu pelo tigrado meio áspero ao toque de minha mão, sinto e lembro sua presença da mesma forma que quando ela era viva.

Nunca mais fui a mesma pessoa, depois que ela se foi.
Sua ausência é tão grande quanto foi sua presença em minha vida.

Hoje, volto aqui para homenagear você, minha Ágata da cara preta que eu apelidei de macaquinha, e pedir a São Francisco que continue cuidando de você até que eu, também, cruze a Ponte do Arco Íris, para que nos reencontremos.

Nestes 5 anos, tudo o que este longo dia de primavera me traz são nossos últimos momentos juntas, quando eu cantei uma canção de ninar, a melodia do
“Boi da Cara Preta”,
para que você dormisse em paz, e ao mesmo tempo pedindo à nossa primeira boxer, Alfa – apelido “Fá” –
que esperasse por você do outro lado da Ponte do Arco Íris,
para leva-la a São Francisco:

Fá, Fá, Fá
Fá da cara preta
Leva a macaquinha
Que tem cara de careta...



Tereza Falcão

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Jolly, york roubada!!!!! Divulguem!!!



JOLLY

Essa York mora na praia grande SP
bairro: balneário Maracanã
foi tirada de dentro do portão da casa dela no dia 25 de outubro, á tarde.
Ninguém viu nada!

Ela se chama Jolly e a dona dela tem o perfil de NORMA CRIATIVA

perfil da Jolly e do Brad
http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=1136509841228624937


ESSE É O PERFIL DA MAEZINHA DA JOLLY
http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=12872948261851282955

VAMOS AJUDAR!!!!
REPASSEM AOS SEUS CONTATOS!!!!

OBRIGADA!!!
Rejane Montresor
Capelinha Memorial e Comunidade

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Oração de São Basilio aos animais


Proteção aos Animais


PROTEÇÃO AOS ANIMAIS

Desde os tempos remotos os animais vêm encontrando dificuldades em sua convivência com o homem; porém, não menos verdade é que também, desde sempre, vozes isoladas ou grupos humanos têm se erguido em sua defesa. Vejamos alguns exemplos:

1 - Religiões e religiosos Velho Testamento
As Escrituras Sagradas estão repletas de citações referentes aos animais. Sem nos alongarmos, vamos buscar em Moisés a recomendação celestial do "Não matarás" (5° Mandamento), de mediano entendimento: a morte, de qualquer ser vivo, jamais deverá ser provocada.

No Apocalipse 4: 6 a 11 e 5, quatro seres viventes à volta do Trono de Deus glorificam-no sem descanso; são semelhantes, respectivamente, ao leão, novilho, homem e águia em vôo. Considerando que Deus criou, ama e protege todos os seres que criou, a citação valoriza os animais, deixando límpido que junto ao Criador não estão apenas anjos...

Jesus
Jesus várias vezes se referiu aos animais de forma bondosa, como em Mateus 10:16, enaltecendo a prudência das serpentes e a simplicidade das pombas; na parábola da ovelha perdida configura o zelo e principalmente a estima do pastor pelos animais do seu rebanho. Se alguma vez comparou homens a animais, como quando Herodes queria matá-lo e o Mestre chamou-o de raposa (Mateus, 13:32), foi sempre no sentido figurado.

Em socorro dessa tese - bondade de Jesus para com os animais - temos no livro A Gênese, de Allan Kardec, Cap. XV, n2 34, sugestiva opinião dissolvendo a notícia evangélica de que o Cristo teria autorizado demônios (espíritos obsessores) a "entrar" em porcos, após o que a manada atirou-se ao mar, perecendo. Em síntese, comenta Kardec que, além de manadas de porcos não serem comuns junto aos judeus, jamais seria possível um espírito humano animar o corpo de um animal (ainda mais 2.000 porcos, como quantificou Marcos, em 5:13).

São Francisco de Assis
Francisco de Assis, Espírito iluminado, todo mansidão e pureza, é o exemplo máximo terreno de amor aos animais. Não só aos animais: a tudo criado por Deus! Sua vida apostolar teve como tônica o amor aos homens, aos animais, aos vegetais, aos minerais, aos astros e aos elementos naturais. Sua existência constituiu modelo de procedimento ecológico para as gerações futuras.

"Pai Francisco", como era carinhosamente chamado por seus companheiros e seguidores, a nosso ver, guardadas as proporções, representa para os animais e para a Natureza o que Jesus representa para os espíritos humanos e para a Terra.

São Basílio
Na liturgia de São Basílio (329/379), padre da Igreja Grega, bispo de Cesaréia da Capadócia - região central da antiga Ásia Menor - brilhante centro do cristianismo, encontramos esta belíssima oração: - Oh! Senhor! Aumenta em nosso interior o sentido da amizade com todos os seres que têm vida, nossos pequenos irmãos a quem Tu deste a Terra como seu lugar, junto conosco. Recordamo-nos envergonhados que no passado exercemos o domínio superior do homem, com desapiedada crueldade e assim a voz da Terra, que deveria ter subido até Ti em canções, tem sido um lamento. Oxalá nos demos conta que eles vivem não somente para nós, senão para eles e para Ti, e que eles amam a doçura da vida, da mesma forma como a amamos e te servem a Ti melhor, em seu meio, do que nós no nosso.

Islamismo
No Alcorão, livro sagrado de cerca de 800 milhões de muçulmanos, em 40 países, representando a palavra textual de Deus - o Clemente, o Misericordioso -, encontramos incontáveis citações de que os animais são criação divina. Deus criou os animais para que servissem de cavalgadura, de transporte, de aquecimento ou de alimento para os homens.

Nas suras (capítulos) e versículos que se referem aos animais, só transparece bondade e respeito para com eles. O emprego de animais, como transporte ou como alimento, é definido de forma clara, havendo várias proibições. É notável como o texto do Alcorão recomenda a proteção de Deus sobre os animais, mesmo quando necessários como alimento. E, nesse caso, quando forem destinados a alimento, que parte seja dada aos humildes e aos mendigos.

Considerando que o texto corânico representa a lei civil, penal e moral para os muçulmanos, é indubitável que os animais que os servem têm o tratamento nele preconizado. Apenas como exemplo, vejamos parte da Sura n° 5, versículos l, 3 e 4: -"É-vos lícita a carne dos animais, exceto a que aqui vos é especificamente proibida.

São-vos vedados o animal morto, o de porco e os animais imolados sob a invocação de outro nome que não o de Deus, os animais estrangulados, animais mortos por espancamento ou de queda ou por chifradas e os devorados por feras... São-vos vedados os animais sacrificados aos ídolos. São-vos permitidas todas as coisas boas bem como os animais caçados pelas aves e as feras por vós adestradas segundo os ensinamentos de Deus. Mas invocai Deus sobre eles.

Pensadores
Vultos célebres da Humanidade também se expressaram em defesa dos animais:

- "A proteção aos animais faz parte cultura dos povos." Victor Hugo

- "A civilização de um povo se avalia pela forma por que trata os animais." Humboldt

- "A compaixão para com os animais é das mais nobres virtudes da natureza humana."Charles Darwin

- "Se eu tivesse outra vida dedicá-la-ia inteiramente à luta contra a vivissecção." Bismark

- "Entre a brutalidade para com o animal e a crueldade para com o homem, há uma só diferença: a vítima." Lamartine

- "Ninguém se pode queixar da falta de um amigo, podendo ter um cão." Marquês de Maricá

- "Falai aos animais, em lugar de lhes bater." Tolstoi

- "- Por que é que o sofrimento dos animais me comove tanto?
- Porque fazem parte da mesma comunidade a que pertenço, da mesma forma que meus próprios semelhantes." Emile Zola

- "São Francisco de Assis os chamava de Nossos Irmãos Inferiores, porém, inferiores somos nós quando não os estimamos." Clóvis Hugues

- "O erro da ética até o momento tem sido a crença de que só deva aplicar-se em relação aos homens". Dr.ALbert Scheweitzer

- Finalizando as citações, Abraham Lincoln: Não me interessa nenhuma religião cujos princípios não melhoram nem tomam em consideração as condições dos animais".

Eurípedes Kuhl

domingo, 24 de outubro de 2010

Estrelinha Mimi




✰ 04/10/2010

MIMI

Adeus Mimi...

Tentamos de tudo, e com isso fica um pesar de todo o seu sofrimento.
Mas uma gatinha sem rins não sobrevive e São Francisco,
em sua infinita sabedoria, lhe acolheu em seu próprio dia festivo,
4 de outubro...
Pequenina, desculpe o nosso excesso de zelo, a sua castração
e de te manter cativa por tanto tempo a gatinha livre
que você sempre foi.
São reflexos da insegurança humana, pois os seres humanos,
passados tantos milênios, ainda não aprenderam a conviver
nem com os próprios irmãos, o que dirá com
os bichinhos indefesos que vocês são, eles ainda
não compreendem que vocês são um presente de Deus...
Mas apesar de tudo valeu a pena, seus profundos olhos azuis nos encantou por onze anos e meio...
A vida da gente às vezes é relembrada pelos bichinhos que tivemos,
e com você então ficou alguma coisa de especial esse tempo todo,
pois era incrível a inteligência e perspicácia dessa pequena
gatinha siamês...
Vai ficar a saudade das muitas noites de frio, em que você tinha cadeira cativa na nossa cama e só dormia recebendo muitos carinhos...
Que Deus nos abençoe e São Francisco de Assis acolha os bichinhos que acompanharam a nossa vida...
Siga o seu caminho numa outra vida espiritual,
deixando muitas saudades em quem te cuidou com zelo
e amor durante toda sua vidinha...

Saudosos
Cezar, Rose, Michael e Helen...

sábado, 23 de outubro de 2010

Estrelinha Chubiska





1998
✰ 06/10/2010

Chubiska

Meu amorzinho, foram 12 anos de muita alegria,
você nos trouxe momentos maravilhosos.
Queria tanto acariciar sua cabecinha, mas já não posso.
Desde o dia 06 de outubro só te encontro em meus sonhos, pois virou Estrelinha. Minha pequena, em fevereiro passou por uma bem sucedida cirurgia
e retirou tumores das mamas.
Viveu mais 8 meses, foi insistente, eu sei que lutou pra viver.
Sei que não quer me ver chorar, mas ainda é inevitável.
Querida, sinto muito a sua falta,
mas sei que um dia nos reencontraremos
para não mais nos separar.
Te amo muito!!!!!
Saudades...

Keli



Quando é a hora de se ter um novo animal ?


Quando você deve obter um novo animal de estimação?

Quando você deve começar
a pensar em um novo?

Até recentemente, a resposta padrão tem sido "imediatamente!"
Porém, esse pode não ser sempre o melhor conselho. Obter um novo animal de estimação antes que você tenha tempo para trabalhar sua tristeza pode causar problemas para você e para o novo pet.

Então, quando é o momento certo?
Não há uma resposta única para essa pergunta, porque todas as
experiências de sofrimento tem sua própria maneira de reação.
Para alguns, a solidão de uma casa vazia faz o luto mais difícil, e um novo animal de estimação pode ajudar no processo.
Outros, porém, podem sentir-se ressentidos com um animal de estimação obtido muito cedo.

O tempo para obter um novo animal de estimação se dá quando você trabalhou com a sua dor o suficiente para estar confiante de que você pode olhar para a frente a novos relacionamentos, e não para trás em sua perda.
Para algumas pessoas, levar questão de dias ou semanas, para outros, meses ou anos. Independentemente de quando você decidir por obter um novo animal de estimação, algumas dicas podem ajudá-lo a facilitar essa transição e fazer uma nova relação mais gratificante para você, sua família e os animais de estimação.

Algumas dicas sobre como escolher um novo mascote:

• Não tome uma decisão precipitada.

Dê a você um tempo para pensar.
Não deixe ninguém influenciá- lo em uma decisão ou pressioná-lo para fazer
uma escolha que não é certa para você.
(O que não for bom para você não vai ser bom
para o animal de estimação também!)
Além disso, não deixe que um amigo ou parente tome a decisão sobre você trazendo-
lhe um novo animal de estimação antes de estar pronto.


• Não pense no novo animal de estimação como um "substituto" para o seu animal anterior.
Não substitua os relacionamentos, mas sim construa novos.
O seu novo animal de estimação será um companheiro com quem você vai construir
um novo conjunto de memórias e experiências.

• Olhe para um animal que é, de alguma forma diferente do seu animal
de estimação anterior.
Se possível selecione uma raça diferente ou sexo.
Evite adquirir um sósia "de estimação", porque se o seu novo animal de estimação
se parecer com o anterior, é fácil se decepcionar quando
não agir como o antigo animal.
Considere um animal de estimação com colorações ou
marcações diferentes de seu pet anterior.


• Envolva todos os membros da família na decisão de obter um novo animal de estimação.
Em particular, considere as necessidades e sentimentos dos seus filhos.
As crianças têm fortes ligações com o animais de estimação, e podem sentir que dar o seu amor a um novo pet seria "desleal" ao pet anterior.
Certifique-se de todos os membros da família tiveram a oportunidade de trabalhar seus processo de sofrimento individual.
Envolva todos nas discussões de que tipo de animal de estimação a obter.
Se possível, deixe os seus filhos ajudá-lo a selecionar o
novo animal.

• Não dê ao seu novo animal de estimação o mesmo nome (ou apelido),
do seu animal de estimação anterior.

• Não espere que o seu novo animal de estimação pareça ser igual aquele que você perdeu.
Não espere que a novo pet faça as mesmas coisas que seu animal de
estimação anterior.
Eles não respondem da mesma forma,
nem possuem as mesmas características.
Em vez disso, desfrute da estima do novo indivíduo e de seus novos comportamentos.

• Não compare o seu novo animal de estimação com o seu animal de estimação anterior.
Depois de muitos anos felizes com um animal companheiro, é fácil esquecer-se de que, quando era um filhotinho de cachorrinho ou gatinho, já foi desobediente e barulhento.
Tenha em mente que o seu novo animal de estimação em breve vai crescer e estará fora dessa difícil "fase".


• Considere as necessidades dos seus animais sobreviventes. Será que eles se ressentem com a presença do recém-chegado?
Alguns animais parecem realmente que sentem a perda de um companheiro, e você
pode achar que precisa de introduzir um novo animal simplesmente para confortar os
sobreviventes. Lembre-se, no entanto, que a maioria dos cães e gatos são territoriais
por natureza, e levará algum tempo para se adaptar a um novo animal de estimação.
Depois de ter introduzido um novo animal de estimação em casa, certifique-se de seus
animais de estimação existentes irão receber muita atenção.

• Considere a obtenção de um novo animal de estimação antes da perda de seu animal de estimação anterior.
Se o seu pet está ficando velho, ou está doente, reflita sobre a introdução de um novo animal de estimação em sua casa agora.
Em muitos casos, a presença de um animal jovem e ativo revitaliza um antigo animal
e, mais importante, evita o problema de tentar construir uma relacionamento com um
novo animal de estimação enquanto você ainda está de luto do o animal anterior.


Algumas considerações adicionais:
Se o seu animal de estimação morreu de uma doença contagiosa,
tenha certeza de que sua casa está completamente limpa antes de
um novo animal ser trazido .
Descarte itens que podem ser portadores da doença, tais como cama,
tapetes, ou brinquedos.
Reflita um pouco sobre a disposição dos pertences do seu animal de estimação.
Algumas pessoas gostam de passar coisas de um animal de estimação a um novo animal de estimação, porém, sinto que esses itens não devem ser transferidos.
Se você prefere se desfazer dos bens do animal de estimação,
verifique se há um abrigo para doá-los.
Se você não está certo que está pronto para um novo animal de estimação,
mas você precisa de carinho de um peludinho ,
considere o trabalho voluntario em algum abrigo de animais.

Você será capaz de dar amor e receber conforto e, quem sabe,
descobrir o companheiro perfeito para compartilhar sua vida!



por Anderson Allen Moira, M.Ed.
ASPCA Animal's Watch
Tradução e Adaptação : Capelinha de São Francisco Memorial Pets

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Nosso Presente ...




A BORBOLETA E A LAGARTA

Era primavera e as flores perfumadas e coloridas atraíam borboletas multicores para o jardim. Rain e Flup eram duas borboletas especiais, que se apaixonaram e se casaram no bosque encantado assim que deixaram seus casulos;
Rain era o macho e Flup a fêmea.
Na parte lateral do jardim havia um muro onde as mamães borboletas deixavam suas larvinhas que em breve tomariam a forma de lagartas.
Rain e Flup sonhavam com o dia em que também teriam sua lagartinha e que se transformaria numa linda borboleta!
Após uns dois ou três dias, o sonho começou a se realizar:
larvinha nasceu!
Uma só e não várias como ocorria com as outras borboletas.
Rain e Flup não se importaram com o fato e cuidaram de sua larvinha com amor profundo e lhe deram o nome de Flain.
As outras mamães borboletas se compadeciam de Flup, a qual consideravam infeliz por só ter uma larvinha, mas Flup se dizia a mamãe borboleta mais feliz daquele jardim... e era!
Rain estava radiante de felicidade e revesava com Flup no cuidado com a larvinha, até que ela começasse a virar lagarta.
Mas em breve Rain e Flup perceberam que Flain era uma larvinha especial, que precisava de cuidados especiais... não havia ainda se transformado em lagarta como as outras larvas da mesma idade, que já estavam formando seus casulos e não demorariam a se transformar em borboletas.
O tempo foi passando e vagarosamente Flain foi se transformando em uma lagarta muito bonitinha, alegre e simpática, para a felicidade de Rain e Flup, que continuaram cheios de esperança de um dia vê-la voando pelo jardim junto a eles!
Rain e Flup notaram que Flain precisava de uma ajudinha para formar o seu casulo, que não se sabe direito por que tinha as tramas muito fininhas e bastava um vento mais forte para que se rompesse.
Rain e Flup eram incansáveis e protegiam a pequena lagarta como podiam: com suas asas, com pétalas secas...
Flain, com a ajuda dos pais, conseguiu formar suas asinhas e já se via próximo o dia em que romperia o casulo transformada em borboleta, voando e cortando os ares do lindo jardim. Felizes, Rain e Flup esperavam ansiosos por este dia.
Certa manhã, porém, uma forte chuva caiu sobre o jardim e o esforço de Rain e Flup em proteger o pequeno casulo não foi suficiente para evitar que o casulo se molhasse.
Flain se foi, deixando um vazio no jardim, cujas borboletas esperavam ansiosas junto a Rain e Flup a mudança da lagartinha...
Rain e Flup caíram em tristeza profunda e se perguntavam o que fizeram de errado, vendo tanto esforço em vão.
Certa noite, olhando as estrelas brilhando no céu, Flup lembrou da sua lagartinha e com muita saudade começou a chorar, perguntando a Deus a razão de tudo aquilo. Adormeceu... Flup sonhou então com um jardim repleto de flores de beleza jamais vista no jardim onde morava, elas tinham cores que brilhavam e tudo parecia tocar uma música suave. Flup voou pelo belo jardim e notou que o brilho das flores acontecia toda vez que uma pequena, mas bela borboleta tocava suas pétalas.
Flup voou mais rápido tentando alcançá-la e ao chegar um pouco mais perto ouviu uma voz terna que lhe perguntou:
-Olá, não está me reconhecendo?
Sou eu, mamãe, Flain...Estou aqui agora e já sou uma borboleta!
Flup mal conseguia falar de tanta emoção ao ver que aquela linda borboleta era a sua lagartinha transformada.
Flain explicou então:
-Mamãe, aqui eu sou borboleta e vôo livre por onde quiser, às vezes eu visito o jardim de vocês, mas ninguém me vê...É que eu ajudo as lagartinhas especiais como eu era a formarem os seus casulos e virarem lindas borboletas.
Estou muito feliz, mamãe... aqui não tem vento, nem chuva; o sol brilha sempre!
Deixe a tristeza de lado e lembre-se de mim com carinho, pois você e o papai são especiais também e são os responsáveis por este brilho que trago em minhas asas.
É o amor de vocês que faz as flores luzirem quando as toco...
Agradeço a Deus por lembrarem de mim, sou muito feliz!
Peço a Ele todos os dias que na próxima temporada vocês possam
ter mais larvinhas e ficarem mais felizes.
Flup, saindo do torpor que a emoção causara, respondeu a Flain com carinho:
-- Ah, querida, como estou feliz em vê-la assim!
Já não me preocupa o fato de ter ou não mais larvinhas,
pois eu resgatei aquilo que de mais precioso um ser pode ter na vida:
a esperança.
Flup acordou e saiu voando rapidamente para contar seu encontro ao papai Rain, que feliz disse que também esteve lá, mas a emoção de Flup foi tanta que nem percebeu sua presença.
As duas borboletas, cheias de emoção e esperança, voam pelo jardim até hoje e de vez em quando são vistas auxiliando papais e mamães borboletas a cuidarem de suas larvinhas especiais, esperando que numa próxima estação possam ter mais larvinhas, se for da vontade de Deus
.

Amigos e Amigas
este é o "nosso" presente de esperança

Rejane Montresor e
Sua Estrelinha


O Rancho Alegre

O Rancho Alegre
.
Bem do ladinho do céu há um lugar chamado “Rancho Alegre”, esta é uma das colônias espirituais para onde vão os animais quando desencarnam.
Lá existem riachos e colinas para que todos os nossos amigos possam correr e brincar juntos. Tem muita comida, água e sol, e nossos amigos estão quentinhos e confortáveis.
Todos os animais que estavam velhos e doentes voltaram a ter vigor e saúde; aqueles que estavam machucados ou aleijados estão inteiros e fortes novamente, exatamente como nas nossas lembranças dos tempos que já se foram.
Os animais estão felizes e contentes, não sofrem como nós pela dor da perda ou ausência de alguém muito especial, que teve que ficar para trás.
Todos correm e brincam juntos, mas chega o dia quando um subitamente para e olha para longe. Seus olhos brilhantes estão atentos; seu corpo treme de ansiedade. De repente ele começa a correr para longe do grupo, voando sobre o gramado verde, suas pernas indo mais e mais rápido. Você foi avistado, e quando você e o seu amigo finalmente se encontrarem, vocês se abraçam numa reunião feliz, para nunca serem separados novamente.
Os beijos alegres chovem sobre o seu rosto; suas mãos afagam de novo a cabeça amada, e você pode olhar mais uma vez nos olhos confiantes do seu amigo, ausentes a tanto tempo da sua vida, mas nunca longe do seu coração.

Para muitos, a esperança de que a vida sobrevive à morte e de que um dia em algum lugar você o encontrará alivia o sofrimento.
Mas será que os animais têm mesmo alma?
Será que eles reencarnam em seres humanos ou em outros animais?
Os animais são nossos "irmãos mais jovens" e, embora não estejam agora tão bem organizados, futuramente, alcançarão um estágio tão elevado quanto o nosso.
Mesmo diante de todas as contradições com os ensinos dos Espíritos superiores. Jamais se afirmou que o animal não tem alma. Têm-se um princípio inteligente tem algo mais que a matéria e isso é o Espírito.
O Espírito dos animais são reaproveitados geralmente na mesma espécie, pois a natureza não dá saltos. Só depois de muitas encarnações numa mesma espécie o Espírito que anima o animal muda para uma outra espécie.
São focos de inteligência já individualizados, embora se mantenham cativos de um Espírito-grupo, caracterizado pela própria espécie no mundo espiritual. Os instintos fazem parte da individualidade, portanto os animais são individualidades também. Em cada espécie ele assimila determinadas características do futuro ser pensante.
Necessário entender, porém, que o Espírito não precisa passar por todas as espécies existentes, para chegar à condição de ser humano. A alma animal, que já passou pelo reino mineral, onde a individualidade não existe, evoluiu através do reino vegetal e um dia iniciará a longa caminhada da espécie humana em direção à angelitude.
Homens, animais, elementais, devas, extraterrestres e todos os seres, encarnados e desencarnados, estão viajando em um mesmo destino chamado de "EVOLUÇÃO".
Os elementais (citados por Kardec quando se refere à ação
dos espíritos sobre a natureza, como os ventos, os temporais, etc.) são entidades que estão passando gradativamente do reino animal para a espécie humana.
A alma animal já possui, em maior ou menor quantidade, uma relativa liberdade e mantém a individualidade depois do desencarne.
Ainda sem livre arbítrio, contudo, ela não dispõe da faculdade de escolha desta ou daquela espécie para renascer. Seu espírito progride, reencarnando em corpos cada vez mais capazes de lhe favorecerem condições para as primícias do raciocínio acima do instinto.
Como não possuem consciência de si mesmos, não estão sujeitos ao processo expiatório.
A situação de abandono em que vivem alguns animais domésticos é reflexo da inferioridade moral da espécie humana.
Se observarmos os animais na natureza, longe dos lugares onde vivem os humanos, veremos que todos são tratados por Deus da mesma forma.
Cada um deles vive a experiência orgânica de que necessita naquele estágio, tendo em vista caminharem para um grau mais elevado na hierarquia do Espírito.
Eles não têm Carma, pois não tem livre arbítrio.
Os animais não são responsáveis pelos seus atos.
Alguns são mais inteligentes pelos cuidados recebidos pelos homens, ou talvez, porque progrediram um pouco mais do que os seus irmãos da mesma espécie.
Quando ficam doentes, não sofrem no sentido em que normalmente se entende o sofrimento. No homem, o sofrimento funciona como um depurador de suas imperfeições, estimulando seu desenvolvimento moral. O animal não tem vida moral e por isso suas dores são apenas físicas. Claro, todas essas impressões positivas e negativas fazem parte das experiências que se acumulam para edificar o futuro ser pensante. Certamente não se está afirmando que o animal (a espécie física) de hoje será o homem de amanhã.
Não.
O Espírito que o anima, sim. Viaja nos caminhos da evolução em busca do reino dos seres que possuem raciocínio lógico, dotados então de livre arbítrio, pois são ai serão responsáveis por seus atos.
Muito mais do que supomos, os animais são assistidos em seu desencarne por espíritos zoófilos que os recebem no plano espiritual e cuidam deles. Alguns espíritos cuidam de grupos de animais e, à medida que eles vão evoluindo, o atendimento vai tendendo à individualização. Quanto ao reencarne dos animais, pergunta-se se os animais estabelecem laços duradouros entre si. Sim, existe uma atração entre os animais, tanto naqueles que formam grupos como naqueles que reencarnam domesticados.
Procura-se colocar juntos espíritos que já conviveram, o que facilita o aparecimento e a elaboração de sentimentos.
Contudo, lá estão eles bem vivos e portando corpos espirituais compatíveis com sua linha evolutiva. Possuem corpos espirituais bem definidos e sobrevivem mesmo. Não formaram corpo espiritual algum lá, já o tinham aqui junto de nós! E muitas vezes sentem saudades de seus donos e surgem no ambiente onde viveram antes.
Os animais têm a sua linguagem, os seus afetos, a sua inteligência rudimentar, com atributos inumeráveis. São eles os irmãos mais próximos do homem, merecendo, por isso, a sua proteção e amparo.
Todo ser, criado por Deus simples e ignorante, é compelido a lutar pela conquista da razão, para em seguida burilar. Dor física no animal é passaporte para mais amplos recursos nos domínios da evolução. Dor física no homem, acrescida de dor moral, é fixação de responsabilidade em trânsito para a Vida Maior.

NOTA: O artigo foi escrito baseado nas obras do escritor Marcel Benedeti: “Histórias animais que as pessoas contam”; “A espiritualidade dos animais”; “Todos os animais são nossos irmãos”; “Animais no mundo espiritual”; “Todos os animais merecem o céu”.
Pelo fato de muitos escritos encontrados não serem psicografados, poderiam ser questionados... Se realmente trazerem os verdadeiros ensinamentos da doutrina, por isso sempre tomei como base O livro dos espíritos, A gênese, Evolução da alma, entre outros que completam as explicações.
Já no livro “A questão espiritual dos animais” de autoria da Dra. Irvênia Prada , temos informações que nos foram transmitidas, pelo espírito Álvaro, de que há vários tipos de atendimento para os animais desencarnados, dependendo da situação, especialmente para os casos de morte brusca ou violenta, possibilitando melhor recuperação de seu perispírito. Existem ainda instalações e construções adequadas para o atendimento das diferentes necessidades, onde os animais são tratados.
Sempre existem algumas contradições com os ensinos dos Espíritos superiores. Por isso deve-se estudar e estudar muito. É a única forma de sabermos distinguir a verdade da impostura. É isso o que nos ensina Allan Kardec. A gente só precisa saber o que é certo, para aproveitar o que é útil. Analise tudo, retenha somente o que é bom.

Juliana
http://meuanimalamigo.blogspot.com/

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

ESSES NOSSOS IRMÃOS, OS ANIMAIS




ESSES NOSSOS IRMÃOS, OS ANIMAIS

A medida que nós, seres racionais, evoluímos e conquistamos mais amplos conhecimentos de nossa própria origem, de nossa peregrinação pelos reinos mineral, vegetal e animal, até atingir o atual estágio hominal, o patamar da razão, mais cresce a nossa responsabilidade junto aos nossos irmãos que ainda estagiam na irracionalidade, os animais.

Como é de conhecimento público, para atender às necessidades da pesquisa científica, muitos desses animais são levados aos laboratórios experimentais na condição de cobaias. Ali são empregados nos testes de toda sorte de medicamentos, por vezes doloridos e venenosos.
São inoculados com vírus, bacilos e vacinas que os levam à morte prematura.
Tudo isso para que o homem, animal que pensa, tenha melhorados os seus dias durante a sua vida terrena.
Essa prática certamente será substituída, pois os nossos homens de ciência haverão de encontrar opções outras para os seus experimentos e, assim, poupar os irracionais, que também possuem afetividade, sofrem, alegram-se e choram, pois essas manifestações de sentimentos não constituem privilégio dos chamados racionais.
E não são poucas as manifestações em defesa dos animais visando acabar ou diminuir esses experimentos.
Muitas associações, pensadores e humanistas, de todo o mundo, assim como gente simples do povo, dirigem os mesmos apelos em favor desses nossos irmãos, os animais.
Recentemente, a revista “Universo Espírita” (edição 34) divulgou excelente matéria, na qual encontramos valiosas citações de grandes vultos do Espiritismo e da Humanidade em defesa dos animais.
Dentre essas citações, vale destacar a que fala de uma comunicação espiritual obtida por Kardec, em Paris, divulgada na “Revista Espírita” de março de 1858.
Nessa comunicação, aqueles Espíritos Superiores falam da vida dos animais nos mundos mais elevados.
Fica provado que, tanto o Codificador como a Doutrina Espírita, no seu todo, manifestam respeito para com os animais.
A propósito, é interessante mencionar dois excelentes artigos, relativos a esse tema, publicados na Itália pelo “Giornale dei Misteri” (Jornal dos Mistérios), editado na cidade de Siena, nos quais encontramos, num dos mais recentes números, dois esclarecedores textos assinados, respectivamente, por Stefania Genovese e Giulio La Greca.
O primeiro, intitulado “Os animais e o além” (Gli Animali e L’Aldilà), enfoca a vida dos irracionais nas colônias espirituais, surpreendendo pelas colocações da articulista que, não tendo intimidade com as obras esclarecedoras de André Luiz, faz apontamentos coerentes com aquilo que lemos do conhecido autor espiritual através da psicografia de Chico Xavier.
Cita, ainda, declarações do teólogo católico padre Luigi Lorenzetti, que afirma a sobrevivência animal, pois também os mesmos são dotados do princípio de eternidade.
E, logo adiante, lembra o Papa Paulo VI, que disse:
“Um dia voltaremos a ver nossos queridos animais na eternidade”.
E completa as palavras do pontífice, no seu pronunciamento sobre os animais:
“Vos exprimimos nossos agradecimentos pelos cuidados que prestastes aos animais, também estes criaturas de Deus”.

No segundo artigo, Giulio La Greca aborda os “Sentimentos animais” (Sentimenti Animali) e faz uma meticulosa análise a fisiologia dos sentimentos animais e e como estes vivenciam suas emoções, alegrias, temores, sofrimentos, amor materno a grande capacidade de aprender e memorizar aquilo que os humanos lhes ensinam.
E ambos os articulistas renovam pelos a favor dos animais e se colocam em defesa dos mesmos.
E vem, a propósito, esta definição de Léon Denis, quando enfoca o roteiro evolutivo do homem desde os primórdios da Criação:
“A alma dorme no mineral, vibra no vegetal, agita-se no animal e desperta no homem”.
E também o Espírito Emmanuel, no livro “O Consolador”, ditado a Chico Xavier, que colabora com essa síntese sobre o roteiro evolutivo do binômio alma-homem:
“O mineral é atração, o vegetal é sensação, o animal é instinto, o homem é razão, o anjo é divindade”.
Na literatura espírita brasileira contamos com excelentes obras retratando os nossos irmãos que ainda se encontram nos primeiros degraus da evolução. Entre essas, citamos:
“Animais, nossos irmãos” e “Animais, amor e respeito”, de Eurípedes Kuhl;
e “Os animais têm alma?”, de autoria do cientista italiano Ernesto Bozzano.
Que possamos ver os animais como sendo nossos amigos e auxiliares, como fez o Cristo ao utilizar um burrinho para a Sua triunfal entrada na capital do judaísmo.
E recordemos também que foi junto dos animais “que o Senhor encontrou o seu primeiro lar, na insegurança da estrebaria”,
conforme lembra Emmanuel no capítulo 28 do livro
“Antologia mediúnica do Natal”.

Artigo retirado do semanário do SEI

Estrelinha Max Lima




✰ 17/10/2010

Max Lima

Domingo dia 17/10/2010, meu querido e amado filho MAX Lima,
um pastor alemão de 7 anos faleceu,
estou com o coração em pedaços, preciso acreditar que a vida continua.
MAX era minha alegria, meu tudo.
Ele teve um problema de erliquiose, fiz tudo para salvar, mas não foi possível,
minha vida sem ele vai ser muito difícil.
Preciso acreditar que ele continua vivo junto comigo, sei que um dia iremos nos encontrar, mas vai ser muito difícil viver sem ele.

Durante os 7 anos que vivemos juntos, ele era o filho que não tive, e hoje estou só, as lembranças e a saudade vão continuar pro resto de minha vida...

MAX LIMA
jamais vou te esquecer, você me ensinou muitas coisas maravilhosas,
e desejo que meu filho amado descanse em paz.
Te amarei para sempre.
Com amor, sua mãe
Raimundinha Lima.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Se todos fizessem um pouco..




Se todos fizessem um pouco..

Se as pessoas cuidassem adequadamente de seu animal de estimação e o
tratassem com o respeito devido, não haveria abandonos e maus-tratos.

Se nas escolas ensinassem as crianças desde cedo como cuidar dignamente de um animal e discutissem a importância desta atitude, elas cresceriam valorizando seu amigo, além de se tornarem mais responsáveis.

Se as crianças aprendessem a valorizar todas as formas de vida, quando adultos saberiam amar e respeitar o ser humano e seriam menos preconceituosos também.

Se estas crianças transmitissem os conhecimentos adquiridos sobre posse responsável aos pais, familiares e amigos e conseguissem influenciá-los, a realidade dos animais seria bem mais positiva.

Se os proprietários entendessem a necessidade de levar seus animais de estimação para castrar, como coisa rotineira, não haveria nascimentos indesejados, abandonos e mortes.

Se as Prefeituras de todas as cidades realizassem campanhas de castração gratuita para que as pessoas de baixa renda pudessem utilizar este serviço, o problema da superpopulação minimizaria.

Se os governos entendessem que é muito mais barato e eficaz castrar os animais do que manter a carrocinha e a morte indiscriminada de cães e gatos por injeção letal, já teriam modificado há muito tempo a política dos centros de zoonozes.

Se os animais estivessem todos castrados, não haveria superpopulação e os que porventura ainda estivessem nas ruas não procriariam, o que diminuiria significativamente o número dos desabrigados.

Se não houvesse animais vagando pelas ruas, as pessoas passariam a valorizá-los, pois eles seriam poucos e especiais.

Se os animais que são comercializados só fossem vendidos já castrados, isto evitaria que muitos aproveitadores quisessem animais de raça só com o intuito de procriação e venda de filhotes.

Se as pessoas entendessem que os animais são seres vivos e sensíveis, elas não desejariam possuir um determinado animal só porque sua raça está na moda. Elas saberiam que por trás daquela raça existe um ser que ama e sofre e que se apega às pessoas que cuidam dele.

Se as pessoas entendessem que os animais, assim como nós, sentem dor e medo, elas se compadeceriam deles e tentariam ajudá-los quando estivessem necessitados.

Se as pessoas se compadecessem dos animais que estão sofrendo nas ruas e os resgatassem e cuidassem deles para depois encaminhá-los para adoção, diminuiria muito o número de mortes por doenças e desnutrição.

Se as pessoas ficassem atentas às necessidades básicas dos animais como alimentação adequada, vacinação anual e abrigo, todos eles teriam uma vida longa e digna.

Se as pessoas soubessem que os animais além de comida e abrigo precisam também de atenção e carinho, eles seriam muito mais felizes.

Se todos soubessem que prender animais em correntes ou espaços mínimos só gera revolta e infelicidade, todos os animais viveriam livres e satisfeitos no espaço a eles destinado.

Se todos soubessem que os filhotes deveriam ser ensinados apenas com recompensas pelo acerto e nunca com castigos e violência, as pessoas teriam em sua companhia animais adestrados e educados.

Se as pessoas soubessem que seu animal de estimação pode viver em média entre 12 e 15 anos, dependendo do porte e raça, não haveria tantos abandonos provocados por velhice.

Se as pessoas soubessem que, como qualquer ser humano, os animais precisam mais delas quando estão doentes ou velhos, eles não seriam abandonados no momento que mais necessitam de cuidados.

Se as pessoas proporcionassem uma vida boa aos animais de estimação, receberiam em troca uma gratidão sem limites e uma dedicação que não se iguala a nenhum sentimento humano.

Se todos fizessem um pouco, com certeza esta situação de abandonos,
sofrimentos e mortes seria atenuada.
Para que isto aconteça precisamos lutar por eles, que dependem de nós..

Maria Augusta
(www.anjosparaadocao.multiply.com)

Estrelinha Neguinha


✰ 19/05.2010


NEGUINHA

NEGRINHA NOSSA NEGUINHA !!!

†19.05.10 virou uma linda Estrelinha


Sempre foi esperta, inteligente, carinhosa e
muito companheira, por mais problemas que
eu tivesse, quando chegava perto dela,
tudo acabava, pois ela sempre fazia alguma graça.
O meu grande e eterno amor, por quem só alegria
me deu, sem nada pedir em troca

Minha Neguinha,

Te amei, Te amo e Te amarei eternamente...
Saudades ...

VINHA


terça-feira, 19 de outubro de 2010

CHICO XAVIER E OS ANIMAIS




CHICO XAVIER E OS ANIMAIS

Chico Xavier tem uma singular estima pelos animais; aqueles que freqüentam seu modesto lar sabem que o médium vive cercado por algum animal doméstico.
Chico tinha um cão que atendia pelo nome de Lorde, o qual conhecia as pessoas que visitavam seu dono, quais eram as amigas, as curiosas e as maliciosas.
"- Senti-lhe, sobremodo, a morte. Fez-me grande falta. Era meu inseparável companheiro de oração. Toda manhã e à noite, em determinada hora, dirigia-me ao quarto para orar. Lorde chegava logo em seguida.
Punha as patas sobre a cama, abaixava a cabeça e ficava assim em atitude de recolhimento orando comigo.
Quando eu acabava, ele também acabava e ia deitar-se a um canto do quarto.
Em minhas preces mais sentidas, Lorde levantava a cabeça e enviava-me seus olhos meigos, compreensivos, às vezes cheios de lágrimas, como a dizer que me conhecia o íntimo, ligando-se ao meu coração.
Desencarnou. Enterrei-o no quintal lá de casa..."
Um dia certo visitante lhe pergunta se animais têm alma, Chico responde, rápido: "- Ah! sim, os animais têm alma e valem pelos melhores amigos..."
Possuímos provas pessoais destas verdades, querido Irmão Chico!...

DO LIVRO: Chico Xavier - O Homem, o Médium, o Missionário
AUTOR: Antônio Matte Noroefé

AO MEU CÃO



ANTIGO SONETO PARA UM SETTER

AO MEU CÃO

Companheiro fiel, que me seguias
pelos campos, perdizes levantando,
foste acabar longe de mim teus dias
sem ver ao menos que fiquei chorando

ao afastar-se o trem em que partias
para outro sítio, tão distante, quando
eu podia sentir as energias
dos teus músculos de aço fraquejando.

E morreste, afinal, sem meu carinho,
em terra estranha, sem ninguém, sozinho,
sem ouvir minha voz, meu setter nobre...

Meu doce amigo em cujo olhar sereno
eu descobrira uma alma sem veneno,
seja-te leve a terra que te cobre.

Freitas Guimarães

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

ENQUANTO HOUVER SOL



ENQUANTO HOUVER SOL

É final de tarde, aquela hora em que os cães começam a ficar agitados, aquela hora que chamo de “hora da farra”, em que, quando todos eles eram vivos, gostavam de brincar de correr um atrás do outro. A temperatura é amena hoje, há passarinhos cantando em nossas árvores, os gatos também começam a me rodear, antecipando a hora da refeição.
E como em todos os dias em mais de uma década, estou preparando a comida dos cães.
Meu Sol observa atento, como sempre, enquanto preparo a comida dos companheiros
Chorão e Brisa, e enquanto misturo a comida especial para ele, com minhas próprias mãos: ração de baixas calorias com metade de um peito de frango desfiado.
Meu Sol, como tantos cães e pessoas idosas, tem tendência a engordar e toma quatro remédios diários para seu velho e enorme coração cansado.
Mas come sua refeição com o mesmo apetite de sempre, seja ela regime ou não.
Levo um bom tempo todos os finais de tarde preparando sua tigela, misturando bem o frango desfiado e às vezes fígados de frango, com a ração que não engorda, e vou dando a ele pequenos aperitivos de pedacinhos de peito cozido.
É o único ritual que sobrou nas tardes, não há mais companheiros para brincar e correr junto, meu jovem casal de boxers, Chorão e Brisa, ficam numa parte separada do quintal.
Procuro nunca apressar esse ritual de antecipação, misturo bem tudo com as mãos, vamos deixar essa comida gostosa, vamos deixa-la fácil de comer.
.
Sol hoje é um velho cão.
Sua máscara negra quase sumiu, seu focinho está grisalho, quase branco.
Há nevadas também no pelo das costas e da nuca.
Suas unhas agora ficam mais compridas do que jamais estiveram, ele não mais corre o suficiente para gasta-las no chão.
Ainda dá suas corridinhas, sempre que o estimulo a brincar e sempre que
ouve movimento fora de nosso portão, mas se cansa logo.
.
Carrega consigo coisas que vêem com a idade, tem um lipoma benigno no pescoço, há mais de quatro anos, em um lugar inoperável, entre a jugular e a traquéia, e esse é o motivo de viver separado dos outros cães, jovens e bagunceiros:
as brincadeiras brutas da Brisa já machucaram esse caroço e o inflamaram, certa vez.
.
Sol sempre foi um amor de cachorro, naturalmente equilibrado, amigo de gente, cães e gatos.
A idade não o tornou rabugento, ele continua abanando seu rabo para todos.
Foi companheiro meu e de meu filho por quase dez anos, e uma espécie de avô para meu neto. Nunca tive outro cão com a boa vontade infinita que Sol tem, embora seus três companheiros de geração, que já se foram, também tivessem sido cães melhores do que o normal.
Ele às vezes manca um pouco da perna traseira, mesmo tomando remédio para as articulações. Mas jamais deixa de atender, bem humorado, quando o chamamos para perto de nós.
Durante esse nosso tempo de vida juntos, quantas vezes ele me surpreendeu com sua empatia, quando eu estava triste ou perturbada, quantas vezes me consolou com seu carinho e sua companhia silenciosa.
E eu sei que haverá um final de tarde, mais ou menos próximo, no qual estarei fazendo minhas coisas de rotina, todas, menos um dos rituais.
Mas ainda não é hoje.
Agora, o sol ainda brilha, ainda há passarinhos voando e
Sol está iluminando e aquecendo a minha vida.
.
Não é legal ficar pensando em uma perda que se aproxima, por mais que esse seja o futuro de todos. É difícil falar sobre isso, joga a gente de volta à dureza da realidade.
É doloroso até pensar que uma criatura tão formidável como Sol está envelhecendo.
É sofrido conviver com o processo.
Não quero ficar falando nisso perto dele, porque ele sentirá que há algo errado, ele sempre sente, se pudesse falar, diria:
“O que está preocupando você?
Eu ainda não fui embora!”
Mas como gente que sou, não consigo deixar de antecipar as coisas e de me emocionar nas horas erradas.
Cães também têm emoções, mas não se emocionam antes da hora.
Por isso, enquanto houver Sol,
escondo meu coração cada vez que ele se aperta em antecipação,
e procuro não chorar perto de meu cachorro.
Mas todas as noites, antes que eu traga Sol para dentro de casa para dormir em sua própria caminha ao lado da minha, quando eu o levo à grama para fazer xixi e ficamos ambos olhando o céu estrelado, sinto que estou vendo naquelas luzes os companheiros cães que se foram e que olham lá de cima para nós, e não posso nem imaginar o que farei ou como viver, quando Sol se tornar também uma outra estrelinha no céu dos cães.
.
TEREZA FALCÃO
.
Este lindo depoimento é da amiga Tereza, mãezinha da Gaia, Agáta e Shiva
Estrelinhas em nosso Memorial.
Este depoimento maravilhoso expressa bem seu grande e profundo Amor
aos seus Amigos Especiais, Seus Anjos de Deus.
Um Amor com raizes profundas no coração.
Parabens amiga!!!
Rejane Montresor

Estrelinha Panzinha


✰ 16/10/2010

Panzinha

Adeus Panzinha
Minha gatinha Pandhora virou estrelinha no sábado,
(16/10/2010), no mês em que fez 15 anos.
Nessa foto, ela estava dormindo enquanto
se recuperava de uma cirurgia,
bem sucedida, em janeiro.
A gente sempre acha que poderia ter impedido, ou evitado,
mas a vida é assim, né?
Beijos Pampam.
Me desculpe por algo e que você seja bem recebida
no Quintal de São Francisco.
Amém!
Romana

domingo, 17 de outubro de 2010

Dia de São Lucas, o médico evangelista


São Lucas, o médico evangelista

São Lucas evangelistaO dia 18 de outubro foi escolhido como "dia dos médicos" por ser o dia consagrado pela Igreja a São Lucas. Como se sabe, Lucas foi um dos quatro evangelistas do Novo Testamento. Seu evangelho é o terceiro em ordem cronológica; os dois que o precederam foram escritos pelos apóstolos Mateus e Marcos.

Lucas não conviveu pessoalmente com Jesus e por isso a sua narrativa é baseada em depoimentos de pessoas que testemunharam a vida e a morte de Jesus. Além do evangelho, é autor do "Ato dos Apóstolos", que complementa o evangelho.

Segundo a tradição, São. Lucas era médico, além de pintor, músico e historiador, e teria estudado medicina em Antióquia. Possuindo maior cultura que os outros evangelistas, seu evangelho utiliza uma linguagem mais aprimorada que a dos outros evangelistas, o que revela seu perfeito domínio do idioma grego.

São Lucas não era hebreu e sim gentio, como era chamado todo aquele que não professava a religião judaica. Não há dados precisos sobre a vida de S. Lucas. Segundo a tradição era natural de Antióquia, cidade situada em território hoje pertencente à Síria e que, na época, era um dos mais importantes centros da civilização helênica na Ásia Menor. Viveu no século I d.C., desconhecendo-se a data do seu nascimento, assim como de sua morte.

A escolha de São Lucas como patrono dos médicos nos países que professam o cristianismo é bem antiga. Eurico Branco Ribeiro, renomado professor de cirurgia e fundador do Sanatório S. Lucas, em São Paulo, é autor de uma obra fundamental sobre São Lucas, em quatro volumes, totalizando 685 páginas, fruto de investigações pessoais e rica fonte de informações sobre o patrono dos médicos. Nesta obra, intitulada "Médico, pintor e santo", o autor refere que, já em 1463, a Universidade de Pádua iniciava o ano letivo em 18 de outubro, em homenagem a São Lucas, proclamado patrono do "Colégio dos filósofos e dos médicos".

A escolha de São. Lucas como patrono dos médicos e do dia 18 de outubro como "dia dos médicos", é comum a muitos países, dentre os quais Portugal, França, Espanha, Itália, Bélgica, Polônia, Inglaterra, Argentina, Canadá e Estados Unidos. No Brasil acha-se definitivamente consagrado o dia 18 de outubro como "dia dos médicos".






Oração

Ó Deus que escolhestes São Lucas para revelar em suas palavras escritas o ministério do Vosso amor para com os pobres, concedei aos que já se gloriam do Vosso nome, perseverás num só coração e numa só alma e a todos os povos do mundo ver a Vossa salvação.
Por Vosso Senhor Jesus Cristo, Vosso filho, na unidade do Espírito Santo.
Ó Senhor nos abençoe, nos livrae de todos o mal, nos conduza a vida eterna.
Amém

Amigos - Clip do Frejat

Este clip do Frejat além de ser lindinho,

mostra bem a relação de amor e carinho entre um humano

e um animal.

Vale a pena ver!!!!

Rejane

Capelinha

sábado, 16 de outubro de 2010

Dia de Santa Edwiges




Santa Edwiges

Nasceu em uma região na Europa Central chamada Silésia, entre Alemanha Oriental e Polônia, no século XVI, ano de 1174. Filha de Bertoldo de Andech, Marquês de Meran e Conde do Tirol e de Inês, filha do Conde de Rottech, família muito numerosa e dotada de grandes riquezas e poderes. Edwiges foi criada com carinho, conforto e uma boa base religiosa.

Edwiges dedicou inteiramente sua vida aos pobres, doentes e aos trabalhos monásticos. Foi a personificação da humildade, amor, solidariedade, caridade e fé! Era fiel a todas as regras monásticas, mas não fez os votos religiosos! Pois queria beneficiar, pessoalmente e melhor, seus irmãos com suas riquezas.

Foram dias de preparação para o dia de sua partida, com dias de muitas orações. Edwiges recebeu visitas de muitos Santos, foram momentos de graça e luz para todos, e finalmente no dia 15 de Outubro de 1243 ela caminhou rumo ao Pai Celestial.
Após sua morte milhares de pessoas conseguiram muitas graças por sua intercessão, e foram feitos longos estudos de sua vida e finalmente ela foi canonizada numa Missa solene no dia 15 de Outubro de 1267. Podendo ser chamada de Santa Edwiges “Protetora dos Endividados”.



Oração

Ó Santa Edwiges,
vós que na terra fostes o amparo dos pobres,
a ajuda dos desvalidos e o Socorro dos Endividados,
e no Céu agora desfrutais do eterno prêmio da caridade que em vida praticastes,
suplicante te peço que sejais a minha advogada,
para que eu obtenha de Deus o auxílio de que urgentemente preciso:
( Pedido ).
Alcançai-me também a suprema graça da salvação eterna.
Santa Edwiges,
Rogai por nós.
Amém.




Dia do Médico - 18 de outubro



SER MÉDICO

Ser Médico...
aliviar sofrimentos
penetrar fundo nos tormentos
da humanidade

Ser Médico...
dar de si profundamente
sentir a dor do doente
compreender a sua sorte
é se doar por inteiro
é romper o nevoeiro
que separa vida e morte

Ser Médico...
uma vida a dar vidas
a mão que cura feridas
a palavra que conforta
o olhar compadecido
ele é sempre o amigo
que ao bater lhe abre a porta

Ser Médico...
é infundir confiança
ao velho, ao jovem, à criança
é ser de Deus o instrumento
dando alívio à dor alheia
tecer fibra a fibra uma teia
seguindo o seu juramento

Ser Médico...
é ter na mão a leveza
agir com delicadeza
é ver em cada criatura
o pai, a mãe, o filho, o parente
para que seu trabalho apresente
o dom verdadeiro da cura

Ser Médico...
é empreender com carinho
conhecer e traçar seu caminho
sem jamais pensar no tédio
comprimidos não resolvem
nem diplomas se devolvem...
é uma paixão sem remédio
!!!
.
Dedico esta poesia a minha amada filha Carolina Montresor
Futura Médica da Familia
Rejane Montresor

Poesia de autoria da Drª. Murita L. da Cruz Rios Sampaio,
em homenagem ao dia do médico - 18 de outubro.


Oração do Médico

Vós sois o Grande Médico, Senhor!

Humildemente, antes de iniciar o meu trabalho,
ajoelho-me diante de Vós
e Vos peço para que a Vossa inspiração se faça presente em mim!

Dai habilidade às minhas mãos,
lucidez ao meu espírito
e compreensão ao meu coração!

Dai-me discernimento para corrigir meus erros
e força para poder aliviar, ao menos em parte,
a carga de sofrimentos dos meus semelhantes.

Concedei-me hoje e sempre,
as graças de poder continuar sendo Vosso instrumento
e levar a bom termo a sagrada missão que me confiastes,
e de ser sempre digno dela,
em honra do Vosso Santo Nome!

Que nos momentos da minha limitação humana,
eu possa contar sempre com a Vossa misericórdia
e com o consolo da certeza do dever cumprido.

Que a luz das Vossas Mãos
esteja sempre sobre as minhas!

Abençoai-me Senhor,
e a todos os que estão comigo nessa jornada.
Permiti, Pai de bondade,
que ao fim de mais este dia de trabalho,
eu possa novamente ajoelhar-me diante de Vós e dizer:
Obrigado, Senhor!

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Dia do Professor


15 de Outubro
Aos Professores

As bolas de papel na cabeça,
os inúmeros diários para se corrigir,
as críticas, as noites mal dormidas...
Tudo isso não foi o suficiente
para te fazer desistir do teu maior sonho:
Tornar possíveis os sonhos do mundo.


Que bom que esta tua vocação
tem despertado a vocação de muitos.
Parece injusto desejar-te um feliz dia dos professores,
quando em seu dia-a-dia
tantas dificuldades acontecem.


A rotina é dura, mas você ainda persiste.
Teu mundo é alegre, pois você
consegue olhar os olhos
de todos os outros e fazê-los felizes também.


Você é feliz, pois na tua matemática de vida,
dividir é sempre a melhor solução.
Você é grande e nobre, pois o seu ofício árduo lapida
o teu coração a cada dia,
dando-te tanto prazer em ensinar.


Homenagens, frases poéticas,
certamente farão parte do seu dia a dia
e quero de forma especial, relembrar
a pessoa maravilhosa que você é
e a importância daquilo do seu ofício.


É por isto que você merece esta homenagem
hoje e sempre, por aquilo que você é
e por aquilo que você faz.

Com todo o carinho da
Capelinha de São Francisco
Memorial Pets





Oração do Professor

Obrigado, Senhor, por atribuir-me a missão de ensinar
e por fazer de mim um professor no mundo da educação.


Eu te agradeço pelo compromisso de formar tantas pessoas e te ofereço todos os meus dons.
São grandes os desafios de cada dia, mas é gratificante ver os objetivos alcançados, na graça de servir, colaborar e ampliar os horizontes do conhecimento.
Quero celebrar as minhas conquistas exaltando também
o sofrimento que me fez crescer e evoluir.
Quero renovar cada dia a coragem de sempre recomeçar.

Senhor!
Inspira-me na minha vocação de mestre e comunicador para melhor poder servir.
Abençoa todos os que se empenham neste trabalho iluminando-lhes o caminho .

Obrigado, meu Deus,
pelo dom da vida e por fazer de mim um educador hoje e sempre.

Amém!