.ღ Saudade lembrada, saudade sentida, saudade hoje e para o resto da vida...saudade eterna! ღ

.ღ Saudade lembrada, saudade sentida, saudade hoje e para o resto da vida...saudade eterna! ღ

.

.

ღ NO MOMENTO AS HOMENAGENS ESTÂO SUSPENSAS! Abraços fraternos!

ღ NO MOMENTO AS HOMENAGENS ESTÂO SUSPENSAS!  Abraços fraternos!
As homenagens são publicadas conforme a disponibilidade de tempo. Se ela chegar sem foto e mensagem não poderei publicar. As homenagens são publicadas conforme a ordem de chegada no e-mail.

.

.

ღ NO MOMENTO AS HOMENAGENS ESTÂO SUSPENSAS! ABRAÇOS FRATERNOS!

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Mais carinho com os mais velhinhos

Mais carinho com os mais velhinhos
A teoria de que cada ano do animal corresponde a sete do humano apresenta controvérsias. O mais aceito é que o primeiro ano do animal corresponde a uma pessoa com 15 anos, um adulto jovem. Daí pra frente, para cada ano do bicho, conta-se quatro anos humanos, segundo alguns autores americanos. O ciclo de vida médio de cães e gatos varia de dez0 a 14 anos e pode ser dividido em cinco fases:
- A infância, até os seis meses;
- A adolescência, até primeiro ano;
- A juventude, até um ano e meio;
- A partir daí, eles entram na maturidade, com seus problemas específicos.
Se a cadela não procriou até os seis anos, uma primeira gestação a partir desta idade não é aconselhada.
- Depois dos sete anos, começaria o que podemos chamar de "terceira idade" do animal.
As doenças mais comuns que afetam cães e gatos a partir dessa fase são: renais, de tireóide, de visão, cardíacas, respiratórias, de diabetes e a redução da audição. As artroses na coluna e em outras articulações também são frequentes, gerando incapacidades de graus variados. Nas raças de cães que têm patas curtas, como o basset e o pequinês, os problemas na coluna podem aparecer mais cedo. E nos gatos elas são mais intensas a partir dos 12 anos. Fisicamente, a pelagem embranquece, principalmente na região da cabeça. Podem aparecer anormalidades de útero nas fêmeas que tomaram anticoncepcional durante muito tempo ou não tiveram filhotes. E os machos, por volta dos nove e dez anos, podem apresentar problemas de próstata.
Cães e gatos, se alimentados em excesso, acabam por desenvolver problemas de obesidade. Do ponto de vista comportamental, com a idade avançada - e por uma série de fatores, como as dores - o cão e o gato podem tornar-se mais ranzinzas e agressivos. No geral, os animais "velhinhos" são bastante parecidos com os humanos na terceira idade.Se o animal for sempre bem tratado, alimentado e vacinado, as alterações de saúde vão demorar mais a aparecer na velhice. É importante saber que, ao entrar na terceira idade, há uma natural redução das atividades, quando cães e gatos passam a andar menos e dormir mais e devem ser respeitados.Seu pet idoso deve ser submetido a avaliações médicas periódicas e realizar perfis bioquímicos e hormonais: exames de dosagem de hormônios, de tireóide, avaliação das funções renal e cardíaca, entre outros. Problemas de pele devem ser tratados o mais rápido possível, para preservar a convivência familiar. Muitas vezes o animal acaba afastado da família por exalar cheiro forte. Os animais de pelagem longa já têm um cobertor natural contra o frio, mas os cães de pelo curto devem ser agasalhados com roupas quentes, assim como ter suas casinhas colocadas em locais protegidos do vento.
Os cuidados alimentares também são importantes e devem ser adequados conforme as características da doença que o animal apresenta. No caso de distúrbios renais, deve-se diminuir a quantidade de proteína e de sal. Os diabéticos devem evitar açúcares. Para os alérgicos, o recomendável são dietas de baixo potencial alergênico
Os diabéticos devem evitar açúcares. Para os alérgicos, o recomendável são dietas de baixo potencial alergênico.
Quanto mais idoso seu bichinho fica, de mais carinho e atenção ele precisa. Não deixe de brincar e passar um tempo com seu animal de estimação, principalmente quando ele começa a apresentar sintomas de cansaço.

domingo, 21 de junho de 2009

Estrelinha Muffin


17/02/2000
†13/11/08
Muffin
Muffin meu anjinho
Meu lindo Muffin que me presenteou e honrou durante anos com sua doce companhia.
Sei que hoje é uma linda estrelinha iluminando o Céu
mas que em breve nos reencontraremos
e nosso amor é eterno.
Brilhe amadinho!!!
Nós Saudades...
Mamãe Kátia





sábado, 20 de junho de 2009

Estrelinha Flipper




†12/09/2008

Flipper

A dor que eu senti, nem sei expressar em palavras...
Chorei tanto, que a minha vontade, era de "ir junto com ele"...
Ficamos dias sentindo um imenso vazio e uma dor que parecia que não iria passar nunca...
Não conseguíamos acreditar que nosso anjinho,
lindo, meigo, carinhoso, tinha sido assassinado...
que ele foi embora para não mais voltar...
Hoje ainda temos saudades...muitas saudades.
Mas sei que ele está no céu, pois era um anjinho!
Meu amado te amaremos sempre!
Brilhe Estrelinha!

Saudades...

Mamãe Cris



Com destaque para os lindos "olhos cor-de-mel",
de meu anjinho, Flipper.
Ao redor, pareciam pintados a lápis...
LINDO!!!
Flipper...um anjinho que está no céu!
Saudades...




Flipper...


Flipper, ontem, 12/09/10, completaram 2 anos q vc atravessou o arco-íris!
 Quantas saudades e lembranças ficaram dos bons momentos.
 Bjs e... brilhe estrelinha!...

Mamãe Cris

terça-feira, 16 de junho de 2009

Boneca e Chico Xavier

Chico Xavier tinha uma cachorra de nome Boneca, que sempre esperava por ele, fazendo grande festa ao avistá-lo. Pulava em seu colo, lambia-lhe o rosto como se o beijasse. O Chico então dizia :
- Ah Boneca , estou com muitas pulgas !!!!
Imediatamente ela começava a coçar o peito dele com o focinho. Boneca morreu velha e doente. Chico sentiu muito a sua partida.
Envolveu-a no mais belo xale que ganhara e enterrou-a no fundo do quintal, não sem antes derramar muitas lágrimas. Um casal de amigos, que a tudo assistiu , na primeira visita de Chico a São Paulo, ofertou-lhe uma cachorrinha idêntica à sua saudosa Boneca. A filhotinha, muito nova ainda, estava envolta num cobertor, e os presentes a pegavam no colo, sem contudo desalinhá-la de sua manta. A cachorrinha recebia afagos de cada um.
A conversa corria quando Chico entrou na sala e alguém colocou em seus braços a pequena cachorra. Ela, sentindo-se no colo de Chico, começou a se agitar e a lambê-lo.
- Ah Boneca , estou cheio de pulgas !!!
Disse Chico.
A filhotinha começou então a caçar-lhe as pulgas , e parte dos presentes, que conheceram a Boneca, exclamaram:
"Chico , a Boneca está aqui ,
é a Boneca,
Chico !! "
Emocionados perguntamos como isso poderia acontecer.
O Chico respondeu :
- Quando nós amamos o nosso animal e dedicamos a ele sentimentos sinceros, ao partir, os espíritos amigos o trazem de volta para que não sintamos sua falta.
É , Boneca está aqui, sim, e ela está ensinando a esta filhota os hábitos que me eram agradáveis.
Boneca & Chico Xavier ( Adelino da Silveira )

A dor da perda de um Animal Querido

O luto é uma resposta normal a qualquer perda importante na vida. Acontece quando a morte veio após uma longa doença, ou quando foi um acidente súbito. Pessoas enlutadas experimentam traumas tanto físicos quanto emocionais enquanto tentam adaptar suas vidas aos abalos trazidos pela perda.Há muito tempo os psicólogos reconheceram que o luto experimentado pelos proprietários de animais após a morte destes é o mesmo experimentado após a morte de uma pessoa. A morte de uma animal de estimação significa a perda da fonte de um amor incondicional. Não há mais para o proprietário o objeto de carinho e proteção. Assim, o proprietário perde o contato com "o mundo natural." Esses sentimentos podem ser especialmente intensos nos idosos, solitários, ou casais sem filhos (para quem o animal é também um substituto da criança).
AS FASES DO LUTO
Na verdade o processo do luto não é um objeto concreto que pode ser dividido distintas. O luto é um processo contínuo, com cada pessoa vivenciando-o de uma forma forma diferente. Dividir o luto em to "fases" ajuda a pessoa enlutada a entender que as seus sentimentos são normais. Algumas pessoas passam rápido por todas as fases, enquanto outras parecem ficar "presas" numa fase específica. Rapidamente, as fases do luto são as seguintes:
1. CHOQUE E NEGAÇÃO
A realidade da morte ainda não foi aceita. Ele ou ela se sente atordoado e atônito - como se tudo aquilo fosse "irreal."
2. RAIVA
A pessoa enlutada frequentemente se volta contra a família, amigos, elas mesmas, Deus, o veterinário ou o mundo em geral. Vão aparecer também sentimentos de culpa ou medo nesse estágio.
3. BARGANHA
Nessa fase a pessoa pede por um trato ou uma recompensa de Deus, do veterinário ou do padre. Comentários do tipo "Eu vou à Igreja todo dia se o meu animal voltar para mim" são comuns.
4. DEPRESSÃO
A depressão ocorre como uma reação à mudança do modo de vida ocasionada pela perda. A pessoa enlutada se sente extremamente triste, desesperançada, inútil e cansada. Ele ou ela sente falta do animal e pensa nele constantemente.
A MORTE DO ANIMAL DE ESTIMAÇÃO E AS CRIANÇAS
Muitas pessoas não percebem como a morte pode ser traumática e confusa para uma criança. As crianças tendem a ficar enlutadas por um período mais curto, mas a sua dor não é menos intensa. Crianças também tendem a voltar ao assunto com mais frequência , então muita paciência é necessária quando se lida com uma criança enlutada. Algumas dica importantes para ajudar uma criança nessa situação incluem:
1. Dar à criança permissão de lidar com a sua dor.- contar ao professor sobre a morte do animal.- encorajar a criança a falar livremente sobre o animal.- dar à criança muito carinho e conforto.- discutir a morte, o morrer e a dor honestamente.
2. NUNCA dizer coisas como "Deus levou o seu bichinho," ou o animal está "dormindo para sempre."- A criança pode temer que Deus vá levá-la, seus pais ou seus irmãos.- A criança pode ficar com medo de ir dormir.
3. Inclua a criança em tudo o que se passa.
4. Explique que a morte é permanente.
OS ANIMAIS SOFREM COM A MORTE?
Muitas pessoas acham difícil acreditar que animais criem laços muito fortes um com o outro. Mesmo animais que parecem mal se suportar podem exibir fortes sinais de stress quando separados. Na verdade, animais que perderam um companheiro podem exibir vários sintomas idênticos aos experimentados pelo pelo proprietário enlutado. O animal sobrevivente pode ficar inquieto, ansioso e deprimido. Ele pode suspirar com frequência, e ter a respeito de comer e dormir. É comum que os animais procurem por seus companheiros mortos e exijam mais atenção dos seus donos.
Como o proprietário pode ajudar um animal que sofre? Atenção para as seguintes recomendações:
1. Mantenha a rotina do animal sobrevivente o mais normal possível.
2. Tente não reforçar (mesmo que não intencionalmente) as mudanças de comportamento.*se o animal fica "escolhendo" comida, não fique trocando o "cardápio". Isso só leva a um animal ainda mais difícil. *não exagere na atenção dada ao animal sobrevivente, já que isso pode levar à ansiedade de separação.
3. Permita que os animais sobreviventes trabalhem a nova hierarquia por eles mesmos.podem haver brigas enquanto isso não fica resolvido (principalmente com cachorros).
4. Não adote um novo animal para fazer companhia para o animal sobrevivente a não ser que o proprietário esteja pronto.não funciona a não ser que o proprietário esteja emocionalmente pronto para um novo animal,
pessoas que ainda estejam enlutadas não terão a energia necessária. O proprietário deve permitir que os outros animais vejam e cheirem o companheiro morto?
Não há evidências que afirmem que esse gesto vá ajudar os animais sobreviventes, mas algumas pessoas afirmam que sim. Geralmente tudo o que acontece é que o proprietário se sente melhor. Assim, se o proprietário deseja que os outros animais "digam adeus," então isso deve ser permitido.
FICANDO CURADO
Passado algum tempo, o processo de luto cheaga ao fim. Ainda ssim há diversas coisas que o proprietário entristecido pode fazer para apressar esse processo:
1. Dê a si mesmo permissão para sofrer.
só VOCÊ sabe o que o animal representava para você.
2. Organize um tributo ao seu animal.faz que a perda pareça real e ajuda a concretizar. permite que a pessoa expresse seus sentimentos e reflita. reforça o apoio social.
3. Descanse bastante, coma bem e faça exercícios.
4. Fique rodeado de pessoas que entendam o que você está passando.deixe que outros cuidem de você. se beneficie de grupos de apoio para pessoas que perderam seus animais.
5. Aprenda tudo o que puder sobre o processo do luto. - ajuda os proprietários a perceber que o que eles sentem é normal.
6. Aceite os sentimentos que vêm com a dor.fale, escreva, cante ou desenhe.
7. Permita a você mesmo pequenos prazeres.
8. Seja paciente com você.NÃO deixe que ninguém diga o quanto o processo de luto deve durar.
9. Dê a si mesmo a permissão da recaída, isso VAI acabar e sua vida VAI ser normal de novo, a dor é como as ondas do oceano: no começo as ondas vêm rápidas e fortes, mas conforme o tempo passa, elas ficam menos intensas e mais esporádicas. não se surpreenda se feriados, cheiros, palavras ou sons provoquem uma recaída.
10. Não tenha medo de pedir ajuda.grupos de apoio para a perda de animais conselheiros emocionais.
11. Tenha certeza de consultar sua "Força Maior."religiosa ou espiritual.
CONCLUSÃO
O luto é provavelmente a sensação mais confusa, frustrante e emocional que uma pessoa pode sentir. É ainda mais para proprietários de animais. A sociedade em geral não dá a essas pessoas "permissão" para demostrar a sua dor abertamente. Dessa forma, os proprietários frequentemente se sentem isolados e sozinhos. Felizmente mais e mais recursos ficam disponíveis para ajudas essas pessoas a perceber que elas NÃO estão sozinhas e que o que elas sentem é completamente normal.
Margaret Muns MV é a veterinária do site da Best Friends: http://www.bestfriends.org - No Members & Pets Forum

sábado, 13 de junho de 2009

ORAÇÃO DO GATO

ORAÇÃO DO GATO
Senhor,
eu sou um gato.
Não precisamente que eu tenha alguma coisa a vos pedir.
Não.
Não peço nada a ninguém.
Mas, se por acaso, Senhor, tivésseis nos celeiros de vosso paraíso,
um pires de leite, sei de alguém que aprecia essas coisas...
Senhor,
Protegei meus irmãos felinos para que não sofram abandono
e que aqueles que estão na rua consigam um lar para morar.
E abençoai meu humano dando-lhe muita saúde e paz.
E que possamos viver juntos
por muitos e muitos anos.
Amém!

A velhice de um cão

A velhice de um cão
Seu cachorrinho já lhe terá proporcionado muitas alegrias.
Cuide para que ele tenha um final de vida feliz.
Sempre que for possível deixe que ele permaneça ao seu lado,
Pois este será,
Realmente,
Um dos poucos prazeres,
Que lhe restarão na velhice.
A grande despedida está próxima.
E ele por instinto,
Sabe disso.
É natural que deseje a companhia,
Daquele que aprendeu a amar e respeitar durante toda sua vida.
Não o abandone agora.
Ele já não será aquele animal bonito de antes.
Seu pêlo começa a cair,
Seu caminhar perdeu a elegância
E sua cabeça penderá cansada sobre suas patas.
Somente seu olhar,
Acompanhará os passos de seu dono.
Lembre-se que,
Dentro do peito,
Ele ainda possui
Aquele coração que vibrará
Com o som da voz
Do seu mestre.
E chegando ao fim,
Não se envergonhe,
Chore.
Pois você acaba de perder
O mais dedicadoDos amigos...
O cão.

Uma análise sobre como ocorre o Processo evolutivo e reencarnatório no reino animal.

Uma análise sobre como ocorre o processo evolutivo e reencarnatório no reino animal.
Por dra. Irvênia Prada
Na literatura espírita, encontramos com bastante freqüência alusões a figuras de animais no plano espiritual. Por exemplo, Hermínio C. Miranda, em Diálogo com as Sombras, descreve o "dirigente das trevas" como sendo visto quase sempre montado em animais.
Brota imediatamente em nossa mente a pergunta: Qual a natureza desses animais?
Também André Luiz refere-se, em suas obras, a cães puxando espécies de "trenós" (livro Nosso Lar), aves de monstruosa configuração (Obreiros da Vida Eterna), e assim por diante.
Realmente, identificar a natureza dessas figuras de animais no plano espiritual não é tarefa fácil. Alguns casos são de mais direto entendimento.
Assim, em A Gênese lê-se que "o pensamento do Espírito cria fluidicamente os objetos dos quais tem o hábito de se servir; um avaro manejará o ouro..., um trabalhador o seu arado e seus bois... "Esses bois, portanto, não são animais propriamente ditos, mas, criações fluídicas, formas-pensamento.
Em outras situações, em que são vistos animais ou sentido a sua presença, existe também a possibilidade de que sejam, mesmo, perispíritos de animais ou, se quisermos assim dizer, animais desencarnados.
Digo animais desencarnados mas, haveria ainda a hipótese de serem também animais encarnados, em "desdobramento" (viagem astral), estando então seu espírito e perispírito desprendidos do corpo físico, por exemplo, durante o sono. Mas, o espírito Alvaro esclareceu-nos, dentre muitas outras questões, que "os animais quando encarnados possuem raros desprendimentos espirituais, isso acontecendo apenas em casos de doenças, fase terminal da existência ou em casos excepcionais com a atuação dos espíritos, pois geralmente permanecem fortemente ligados à matéria". Esta possibilidade de explicação da presença de animais no plano espiritual, de modo particular os animais desencarnados, me parece lógica e portanto, aceitável.
O nosso prezado confrade Divaldo Pereira Franco contou-me, certa feita, que há alguns anos, esteve em determinada cidade brasileira, para uma conferência e, ao ser recebido na casa que iria hospedá-lo, assustou-se com um cachorro grande, que lhe pulou no peito. A anfitriã percebeu-lhe a reação:
- O que foi, Divaldo?
Foi o cachorro, mas está tudo bem!
Que cachorro, Divaldo, aqui não tem cachorro nenhum!
- Tem sim, esse pastor aí!
- Divaldo, eu tive um cão da raça pastor alemão, mas ele morreu há um ano e meio!
E Divaldo concluiu:
- era um cão espiritual!
Segundo o meu entendimento, é possível e até muito provável que esse cão desencarnado ainda estivesse por ali, no ambiente doméstico que o acolheu por muitos anos, tendo sua presença sido detectada pela mediunidade de Divaldo Franco.
Não posso deixar de referir, novamente, a obra magnífica Os Animais tem Alma?, de Ernesto Bozzano, que recomendo para leitura e aprendizado sobre o assunto, porque dos 130 casos descritos, de manifestações metapsíquicas envolvendo animais, muitos estão inseridos nesta categoria de fenômenos, ou seja, em que animais, pela atuação de seu perispírito são vistos e ouvidos ou sentido sua presença.
Herculano Pires também comenta a respeito de "casos impressionantes de materialização de animais, em sessões experimentais", em seu livro Mediunidade. Vida e Comunicação, do que se presume que esses animais se encontravam previamente na dimensão espiritual.
Uma terceira possibilidade que vejo, em relação à presença de figuras animais no plano espiritual é a de perispíritos humanos se encontrarem metamorfoseados em formas animais, sem contudo, perderem a sua condição de espíritos humanos, é claro! E o fenômeno que se conhece com o nome de zoantropia (zôo = animal e antropos, do grego = homen), do qual uma variedade é a licantropia (tycos, do grego = lobo).
Temos o relato de um caso de licantropia no livro Libertação, de André Luiz. O obsessor, desencarnado, encontra a sua "vítima", uma mulher, e conhecendo-lhe a fragilidade sustentada por um complexo de culpa, passa a acusá-la cruelmente, e conclui " - A sentença está lavrada por si mesma! Não passa de uma loba, de uma loba, de uma loba... ". E assim, induzida hipnoticamente, sua própria mente vai comandando a metamorfose de seu perispírito que, aos poucos e gradativamente se modifica, assumindo por fim, a figura de uma loba. Diga-se de passagem, não foi o obsessor que diretamente transformou a sua figura humana, em loba. Foi ela mesma, ao aceitar a sugestão mental que partiu dele.Afinidade e sintonia são o elementos básicos para o estabelecimento do "pensamento de aceitação ou adesão", conforme explica André Luiz em Mecanismos da Mediunidade.
E por falar em perispírito de animais, em A Evolução Anímica, Gabriel Delanne comenta (resumidamente), que na formação da criatura vivente, a vida não fornece como contingente senão a matéria irritável do protoplasma e nada se lhe encontra que indique o nascimento de um ser ou outro, de vez que a sua composição é sempre uma e única para todos. É o perispírito, que contém o desenho prévio e que conduzirá o novo organismo ao lugar na escala morfológica, segundo o grau de sua evolução.


sábado, 6 de junho de 2009

Animal Estrelinha Homenagens






Amigos



A perda de um companheiro amado de estimação pode ser tão difícil como perder um amigo ou membro da família humana.


Às vezes os animais são toda a família que algumas pessoas possuem.


Há uma ligação profunda entre o humano e o animal e cada vez mais amados e queridos entre si.


É tão importante cuidar de si, mesmo quando um animal morre,
da mesma forma quando você perde um membro
da família humana - ainda mais porque nem todos podem entender a sua dor.


Uma maneira de cuidar de si mesmo é fazer um memorial.


A homenagem é uma forma maravilhosa para lembrar um
animal perdido.


É um lugar para manter viva a memória de seu vínculo especial com seu animal de estimação.


Uma página de memória ajuda com o processo de luto.


Nosso Memorial foi criado para ajudar você.


Temos tópico de ajuda, com pesquisas sobre o assunto.


Se você tiver dúvidas ou problemas em fazer uma homenagem, entre em contato conosco .










Se você tem um animalzinho que está na


Ponte do Arco-Iris e queira homenagea-lo


coloque o endereço da foto (URL)


sua mensagem para o estrelinha


que postaremos sua homenagem


aqui em nosso Memorial.





Basta clicar abaixo em comentários





" Para estar junto não é preciso estar perto,


e sim do lado de dentro."


Leonardo da Vinci







Abraços Fraternais!


Rejane montresor


Capelinha de São Francisco Memorial Pets



Estrlelinha Renoinha






†07/05/09


Renoinha


Essa foi por muito tempo minha amiguinha,


mas Deus quis que ela partisse.


Esteja em paz Renoinha.


Te amo!!!

Sueli


Brilhe Estrelinha,


Aqui Saudades...


quinta-feira, 4 de junho de 2009

Prece a São Francisco de Assis

Agasalha a minha alma na concha de tuas mãos,
tal como se fosse um pássaro perdido em busca de abrigo.
Acalenta meu coração junto às dobras do seu manto,
como a um cordeirinho em busca de paz.
Fala-me com ternura, como fizeste aos peixes,
para encher de doçura e saber o meu entendimento.
Apascenta as minhas imperfeições,
como o fizeste com o lobo,
deixando-o carinhosamente a teus pés.
Eleva os meus pensamentosnas asas dos pássaros que voam pelos céus.
Prostra o meu orgulho sobre a relva verde do chão.
Abre meu coração ao teu exemplo,
como se descerram as corolas das flores para o orvalho da manhã.
Estende-me as tuas mãospara que te siga sem esmorecer
pela estrada do amor, da paz e da humildade.
São Francisco de Assis, rogai por nós.
Amém.